Excelente artigo de Ricardo Cordeiro, do Departamento de Medicina Preventiva e Social. Faculdade de Ciências Médicas., da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, para quem se interessa pela análise de populações com doenças raras.

Resumo
Demonstra-se que estudos caso-controle podem estimar sem viés os parâmetros risco relativo e fração atribuível, sem que a doença estudada seja rara. Argumenta-se que a pressuposição de raridade da doença para que as estimativas de odds ratio obtidas em estudos caso-controles se aproximem da medida de risco relativo é um mito ainda hoje difundido, que teve suas origens nos primeiros trabalhos, estabelecendo e consolidando o método caso-controle, em meados do século XX.
P a l a v r a s – c h a v e : Estudo caso-controle. Estimabilidade. Risco relativo. Odds ratio. Fração atribuível.

O Mito da doença rara